sexta-feira, 21 de março de 2014

6 PASSOS PARA SE TORNAR UMA MÃE AUTOCONFIANTE

Entre os papéis que representamos na vida, nenhum é tão rico, multifacetado e impossível como o de mãe. Nenhum outro oferece tantos desafios e surpresas quanto esse, que, afinal, faria parte do repertório instintivo de toda mulher. Será? A aflição provocada pelo choro do bebê vai ser mais tarde substituída pela ansiedade do primeiro dia de aula, e depois pela preocupação com as notas do boletim e, antes que essa desapareça, vai surgir o primeiro namorado com pelos nas pernas e, com ele, as viagens de férias e o amigo com moto - e tantas outras situações, que, a cada geração, vão mudando de roupagem nas diversas fases de desenvolvimento dos filhos, sempre provocando emoções difíceis. Para ter mais confiança, sugerimos:


1. Abrir-se para o prazer

Nossa cultura acredita que o valor de uma dádiva está no sacrifício necessário para alcançá-la. Assim, muitas vezes o prazer que uma relação proporciona é escamoteado. As comadres de plantão têm pressa em comunicar à gestante: "Depois que esse bebê nascer, você nunca mais terá uma noite de sono!" Mas ninguém comenta o que significa ser acordada pelo choro do bebê e se dar conta de que é o seu bebê e que basta o som da voz materna ("Está tudo bem, mamãe já vai!") para acalmá-lo. Ninguém conta como é gratificante perceber a alegria com que o bebê, antes assustado, recebe a mãe que se aproxima do berço. Onde mais a vida vai oferecer uma experiência de um narcisismo assim legítimo? Quem não se deixa paralisar pelas armadilhas da culpa e da idealização fica mais livre para desfrutar dos prazeres e privilégios de viver a experiência de gerar e criar um ser humano.


2. Admitir as fraquezas

Não existe uma lista dos atributos que fazem uma boa mãe, mas paciência, tolerância, bons olhos e, principalmente, bons ouvidos ajudam um bocado nessa tarefa. Fundamental é a capacidade de abdicar do desejo de ser perfeita e admitir que o filho também tem dificuldades e fraquezas. Mães inseguras, com dúvidas e hesitações, são menos perigosas do que as infladas de certezas e seguranças. Educar é mesmo complicado porque usamos princípios e parâmetros que aprendemos ontem para ensinar a criança a enfrentar o mundo de amanhã. Melhor sermos inseguras. Ainda que tenhamos certeza de nossos valores, não podemos estar certas de que sempre sabemos o que é melhor para o outro.


3. Perceber que as parcerias são vitais

Felizmente, a mãe não é a única pessoa importante na vida do filho. O pai e os avós podem se tornar excelentes aliados desde que sejam recebidos e tratados como parceiros, não como assistentes sem qualificações. Em geral, as mães concordam em abrir mão de uma parte do trabalho, mas não do poder. Melhor aprender a sair do foco dos holofotes, pois fatalmente a mãe terá de abandonar o posto de protagonista da vida dos filhos e dividir a cena com amigos, namorados e até com os filhos que eles terão.


4. Saber que a culpa não resolve, só paralisa

Há uma diferença fundamental entre culpa e responsabilidade. Assumir a responsabilidade por um erro permite corrigi-lo. Já a culpa paralisa, pois a necessidade de se penitenciar pela falha impede a reparação. Os educadores sabem que o erro é parte do processo de aprendizagem. Quem não pode errar não pode aprender. O sentimento de culpa é proporcional à fantasia de onipotência: quem se sente culpado no fundo acredita que pode fazer tudo perfeito e, se não o faz, é por negligência ou distração. Mas isso é assunto dos deuses. Por mais que a mãe ame os filhos, sempre haverá momentos em que ela se perguntará onde estava com a cabeça quando entrou nesse enredo. Esses sentimentos não ferem ninguém, o que fere são as palavras e as ações.


5. Ouvir a voz do coração

Das fraldas às camisinhas, do pediatra ao ginecologista, da orientadora escolar ao psicoterapeuta, levamos no olhar a mesma perplexidade, no coração a mesma angústia, nos braços a mesma impotência. Não podemos ter certezas absolutas. O melhor a fazer é seguir o coração para podermos nos defender quando, mais tarde, o filho reclamar que não fizemos o que ele acha que deveríamos ter feito - que provavelmente será o contrário do que fizemos. As que procuraram respeitar o espaço do filho serão acusadas de abandono; as que não quiseram se omitir serão chamadas de controladoras. Ao menos poderemos responder que fizemos o que podíamos e o que sabíamos. Mais do que isso, ninguém tem o direito de exigir.


6. Frustrar faz parte do jogo

O esforço para evitar a qualquer custo a frustração dos filhos é prejudicial porque transmite a falsa noção de que ela é consequência de uma falha. Uma pessoa sem tolerância à frustração seria incapaz de abrir mão de um prazer imediato e, assim, seria incompetente para atender às inevitáveis exigências da vida. Não adianta fazer todos os sacrifícios para oferecer o brinquedo da hora, a roupa da moda, os programas do momento. A frustração virá ou sob a forma do telefone que não toca (quando ele espera pela chamada da colega), ou da mudança do melhor amigo para o exterior, ou de qualquer situação importante cujo desfecho não depende do poder dos pais (e são tão poucas as que dependem, depois que eles crescem...). Ou seja, as mães não podem nem precisam resolver todos os problemas dos filhos.



Fonte: Revista Cláudia

Um comentário:

  1. Encontrei seu belo espaço, através de uma amiga incomum...
    Amei seu cantinho!

    Para guardar no coração:

    Você diz: “Isso é impossível”
    Deus diz: “Tudo é possível”
    (Lucas 18:27)

    Você diz: “Eu já estou cansado”
    Deus diz: “Eu te darei o repouso”
    (Mateus 11:28-30)

    Você diz: “Ninguém me ama de verdade”
    Deus diz: “Eu te amo”
    (João 3:16 & João 13:34)

    Você diz: “Não tenho condições”
    Deus diz: “Minha graça é suficiente”
    (II. Corintos 12:9)

    Você diz: “Não vejo saída”
    Deus diz: “Eu guiarei teus passos”
    (Provérbios 3:5-6)

    Você diz: “Eu não posso fazer”
    Deus diz: “Você pode fazer tudo”
    (Filipenses 4:13)

    Você diz: “Estou angustiado”
    Deus diz: “Eu te livrarei da angustia”
    (Salmos 90:15)

    Você diz: “Não vale a pena”
    Deus diz: “Tudo vale a pena”
    (Romanos 8:28)

    Você diz: “Eu não mereço perdão”
    Deus diz: “Eu te perdoo”
    (I João 1:9 & Romanos 8:1)

    Você diz: “Não vou conseguir”
    Deus diz: “Eu suprirei todas as suas necessidades”
    (Filipenses 4:19)

    Você diz: “Estou com medo”
    Deus diz: “Eu não te dei um espírito de medo”
    (II. Timóteo 1:7)

    Você diz: “Estou sempre frustrado e preocupado”
    Deus diz: “Confiai-me todas as suas preocupações”
    (I Pedro 5:7)

    Você diz: “Eu não tenho talento suficiente”
    Deus diz: “Eu te dou sabedoria”
    (I Corintos 1:30)

    Você diz: “Não tenho fé”
    Deus diz: “Eu dei a cada um uma medida de fé”
    (Romanos 12:3)

    Você diz: “Eu me sinto só e desamparado”

    Deus diz: “Eu nunca te deixarei nem desampararei”
    (Hebreus 13:5)

    A propósito, caso ainda não esteja seguindo o meu blog deixo aqui o convite, acesse o link abaixo:

    Fruto do Espírito

    Minha Fan Page Fruto do Espírito

    P.S. Convido a conhecer o blog do irmão JC.
    Mensagens atuais, algumas polêmicas, porém abençoadoras...
    Acesse e confira:
    Discípulo de Cristo


    Em Cristo,
    ***Lucy***

    ResponderExcluir